Por Pedro Paulo Silveira e Alexandre Faturi 11 de março de 2019 4 minutos lendo
Voltar para o blog

CCR, Embraer, Braskem, JBS e outras

11 de março de 2019   -   4 minutos lendo

Após a semana do carnaval, estão marcados dois leilões de transportes, o primeiro de metrô, em São Paulo, e o outro, na sexta-feira, com a oferta à iniciativa privada de 12 aeroportos, distribuídos em três blocos, com investimento previsto de R$ 3,5 bilhões. Uma das fortes candidatas à concessão em São Paulo, a CCR, divulga balanço nesta semana, assim como Embraer, Braskem, JBS, EcoRodovias, Azul e Minerva, entre outras.

No caso de Embraer, que recentemente aprovou acordo com a Boeing, a fabricante americana de aviões abre a semana com as ações em queda no pré-mercado de Nova York, de quase 10%, devido a um acidente com o modelo &37 Max 8 da Ethiopian Airlines. Já é a segunda queda do avião em cinco meses, por isso a China decidiu neste fim de semana suspender as operações com o Max 8 no país. O acidente deve levantar questionamentos sobre a Boeing, o que pode ter reflexos nas ações tanto da Embraer quando da companhia aérea Gol, que utiliza esse modelo de aeronave. Em 31 de dezembro, a Gol possuía 130 pedidos firmes para aquisição de Boeing 737 MAX, que incluem 100 pedidos de MAX 8.

CCR

O governo de São Paulo realiza hoje, na sede da B3, o leilão da Linha 15 – Prata da rede metroviária paulista. O certame ocorre quase nove meses após a data inicialmente marcada, 26 de junho de 2018, que foi adiada três vezes – para julho, depois para novembro e então para março de 2019. A entrega das propostas está prevista para às 14h e será seguida da abertura dos envelopes, programada para as 15h.

A CCR é considerada grande favorita para levar a concessão. O presidente do grupo, Leonardo Vianna, chegou a verbalizar o interesse no projeto, por seu perfil semelhante ao das Linhas 5 e 17 do Metrô, arrematadas pela companhia em janeiro do ano passado. Há rumores de que a CCR seria a única interessada no projeto e o Sindicato dos Metroviários de São Paulo chegou a indicar que o grupo seria o vencedor do leilão.

Petrobras

A Petrobras aprovou o que chamou de Plano de Resiliência, que é uma adição ao Plano de Negócios e Gestão 2019-2023. Segundo a companhia, esse novo plano foi estruturado em três alavancas de geração de valor. E a primeira delas é a ampliação do programa de desinvestimentos.

Nesse aspecto, a Petrobras prevê a inclusão de mais campos maduros de petróleo e gás localizados em terra e águas rasas, além de ativos de refino e logística. Segundo a companhia, esse novo plano não contempla ainda a revisão do pacote de desinvestimento de refinarias, que ainda está em estudo.

A segunda parte do plano diz respeito aos gastos operacionais gerenciáveis, que a companhia pretende diminuir em US$ 8,1 bilhões, um acréscimo de 6,6% ao valor de R$ 122,6 bilhões previstos no PNG. A Petrobras cita cortes de gastos com pessoal, com anúncio de programa de demissão voluntária, e de despesas discricionárias, como publicidade e patrocínios, além de otimização do uso de prédios administrativos.

Braskem

A Braskem informa que a Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) concedeu à empresa uma extensão adicional de prazo, até 16 de maio, para arquivamento do Formulário 20-F referente a 2017 perante a U.S. Securities and Exchange Commission (SEC). O prazo venceria em 15 de março.

A companhia ressalta, em comunicado, que, conforme as regras da Nyse, não é possível obter mais extensões com relação ao prazo para arquivamento do 20-F 2017. Assim, se não for possível entregar o documento até 16 de maio, a Nyse dará início aos procedimentos para deslistagem e simultaneamente suspenderá a negociação das American Depository Shares (ADS) da empresa na Nyse.

Cosan e Comgás

Os acionistas da Comgás que não venderam suas ações PNA no leilão realizado na sexta pela Cosan terão três meses para alienar seus papéis. Na oferta pública para aquisição de ações (OPA), a Cosan adquiriu 19.496.165 ações PNA da Comgás, correspondentes a 14,77% do capital da distribuidora de gás. A operação movimentou cerca de R$ 1,6 bilhão.

(Fonte do noticiário corporativo: Agência Estado News)

Conteúdo Relacionado

Pronto para começar?

Abra sua conta

Ou deixe seus dados e entraremos em contato