Nova Futura Investimentos 11 de abril de 2019 4 minutos lendo
Voltar para o blog

Cemig e nova operação da Polícia Federal

11 de abril de 2019   -   4 minutos lendo

A quinta-feira começa com uma operação da Polícia Federal sobre a Cemig e a Renova. Ainda sobre investigações da PF, o mercado fica de olho no destino do valor pago pela Petrobras no acordo firmado nos EUA após a Lava Jato. Hoje também os investidores deve repercutir a alta da tarifa da Sabesp.

A Operação E o Vento Levou, quarta fase da Descarte, apura o desvio de dinheiro da Cemig Geração e Transmissão por meio do aporte de R$ 850 milhões na Renova Energia com posterior repasse de parte deste recurso por meio do superfaturamento de um contrato com a empresa Casa dos Ventos e transferência a várias empresas. Em seguida, o dinheiro foi convertido em espécie e distribuído a diversas pessoas. Além dessas empresas, a PF investiga a participação de representantes da Andrade Gutierrez, operadores financeiros e outras empresas usadas para escoar o dinheiro desviado.

Foram expedidos pela 2ª Vara Criminal da Justiça Federal de São Paulo vinte e seis mandados de busca e apreensão para os endereços das pessoas e empresas envolvidas com os fatos investigados, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte (MG), Taubaté (SP), Nova Lima (MG) e Mogi das Cruzes (SP).

Sabesp


Em relação à Sabesp, na quarta-feira à noite a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) autorizou a aplicação de um reajuste anual de 4,7242% sobre as tarifas de água e esgoto vigentes. As novas tabelas passarão a vigorar a partir de 11 de maio.

De acordo com comunicado da Arsesp, com o reajuste, as tarifas na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) para um consumo de até 10 m³ de água sobem de R$ 8,48 para R$ 8,88 na categoria residencial social; de R$ 25,00 para R$ 26,18 na categoria residencial normal; e de R$ 50,20 para R$ 52,57 nas categorias comercial, industrial e pública. Estão fora deste reajuste os municípios de Lins, Iperó, Santa Isabel e Santa Branca.

Petrobras

 
Assim como a venda da TAG repercutiu por alguns dias, na semana passada, o acordo da Petrobras com a União sobre a cessão onerosa, fechado na terça-feira à noite, deve continuar na pauta do mercado hoje. Já precificado pelos investidores, o acordo não fez efeito sobre os papéis da companhia, que fecharam o dia ontem em queda.

Agora, vale acompanhar o destino do valor pago para encerrar a Class action nos EUA depois da Lava Jato. A procuradora-geral, Raquel Dodge, reiterou ao presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, o entendimento de que a estatal foi vítima do esquema criminoso investigado no âmbito da Operação, e segundo a Secretaria de Comunicação Social da PGR, ambos discutiram medidas a serem adotadas para garantir que os R$ 2,5 bilhões sejam aplicado no Brasil e ‘em atendimento ao interesse público’. Tanto Raquel quanto Castello Branco entendem ser possível que parte dos recursos seja destinada a programas da área de educação.

Porém, segundo o Blog Fausto Macedo, a defesa da Petrobras informou ao ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes que vai entregar documentos internos que tratam do acordo, no entanto, pediu para que seja mantido o sigilo sobre as atas, ‘a fim de resguardar informações de natureza negocial da Companhia’.

Aéreas


No setor aéreo, a Coluna do Broadcast traz que o plano de recuperação judicial da Avianca deve ser homologado nesta quinta-feira, permitindo que a companhia encaminhe para a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) pedidos de autorizações para a constituição das Unidades Produtivas Isoladas (UPIs) que serão leiloadas e os certificados de operador aéreo (COE), necessários para operar as autorizações de decolagem e aterrizagem que estarão nas UPIs. Ao mesmo tempo, abre espaço para “agravos”, ou seja, para que insatisfeitos com o modelo aprovado, como a companhia aérea Azul, peçam a suspensão de tal plano.

O plano foi aprovado na sexta-feira, dia 05, e prevê a constituição de sete UPIs que serão colocadas em leilão, tendo garantia firme de participação da Gol e Latam para duas delas, com o que irá levantar US$ 70 milhões. A Azul, que teve preterido seu acordo para levar todas as autorizações em uma única UPI, reclamou muito e ainda não está claro qual será sua estratégia daqui em diante.

Eletrobras


A Eletrobras deve continuar no radar do mercado com a notícia de que foram cumpridas todas as condicionantes previstas no Edital de Leilão nº 2/2018-PPI/PND para a transferência do controle acionário da distribuidora de energia elétrica Amazonas Distribuidora de Energia para o Consórcio formado pelas empresas Oliveira Energia Geração e Serviços e Atem’s Distribuidora de Petróleo.

Foram realizados ajustes, pela Eletrobras, no valor total de R$ 8,911 bilhões, sendo R$ 6,045 bilhões referentes à conversão de dívidas em capital social da Amazonas Energia e R$ 2,866 bilhões em dação em pagamento da Amazonas GT.

(Fonte do noticiário corporativo: Agência Estado News)

Conteúdo Relacionado

Pronto para começar?

Abra sua conta

Ou deixe seus dados e entraremos em contato