Nova Futura Investimentos 09 de abril de 2019 5 minutos lendo
Voltar para o blog

Petrobras, Vale e outras

09 de abril de 2019   -   5 minutos lendo

As atenções do mercado hoje devem se dividir entre a apresentação do parecer do relator da PEC da Previdência na CCJ, deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), e a reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), no final da tarde, que tenta aprovar o acordo de cessão onerosa. Nesse contexto, segundo analistas, as blue chips Vale e Petrobras, que ontem puxaram o índice para cima, devem seguir no foco. Com o aumento no preço do minério de ferro, os papéis da Vale subiram quase 3% ontem, enquanto as ações da petroleira avançaram 2% (PN) ainda com o mercado repercutindo positivamente a venda da TAG por US$ 8,6 bilhões para a Engie e o fundo canadense CDPQ.

Na avaliação da Fitch, a venda da Transportadora Associada de Gás (TAG) é neutra para o rating da Petrobras. Segundo a agência, embora o negócio acelere o processo de desalavancagem da empresa e possa melhorar seu perfil de crédito, a nota continua a ser contida pelo rating soberano do Brasil, em BB-, com perspectiva estável.

Em 8 de março, a Fitch reafirmou o rating da petroleira em BB-, com perspectiva estável. A nota é contida pela grande fatia que o Brasil detém da petroleira, afirma a agência. Ao mesmo tempo, o governo brasileiro tem um forte incentivo a apoiar a empresa, por causa de sua importância estratégica como a maior fornecedora de combustíveis líquidos no País, avalia a Fitch em comunicado.

Aéreas
Continuarão também as atenções para as empresas aéreas, que ontem apresentaram desempenhos negativos e ficaram entre as principais perdas diante das dúvidas sobre uma possível negociações com a Avianca Brasil. Além da Azul, Gol e Latam também entraram no páreo pelos ativos da companhia.

Na noite de ontem, após o fechamento do mercado, o Grupo Latam Airlines informou que a demanda total de passageiros aumentou 5,7% em março na comparação anual, enquanto a oferta teve um incremento de 7,4%. Como resultado, a taxa de ocupação para o mês teve redução de 1,4 ponto porcentual, alcançando 82,8%. O tráfego internacional de passageiros representou, aproximadamente, 59% do tráfego total no mês. Considerando o mercado doméstico brasileiro, a demanda caiu 0,8% em março, com a oferta diminuindo 1,2%, o que resultou em uma taxa de ocupação de 80,6%, 0,3 ponto porcentual maior que igual mês do ano passado.

Além do movimento das ações em torno da negociação com a Avianca, operadores citaram ontem o aumento do preço do querosene de aviação, que eleva o custo de operação das companhias. A queda do dólar não compensou o aumento da commodity nesta segunda-feira, de acordo com os operadores.

Sabesp
Destaque também para a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que aprovou a realização da 23ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, em até duas séries, no montante total de até R$ 1,5 bilhão. A oferta está condicionada à emissão de, no mínimo, 750 mil debêntures, no montante total de R$ 750 milhões.

A emissão e a quantidade de debêntures a ser alocada em cada série, a remuneração e o valor total da operação serão definidos conforme o procedimento de coleta de intenções de investimento (bookbuilding). A oferta será destinada exclusivamente a investidores profissionais e será apresentada a, no máximo, 75 destes investidores, sendo que as debêntures somente poderão ser subscritas por, no máximo, 50.

O processo de estruturação da oferta e distribuição das debêntures será conduzido por um consórcio de instituições financeiras. Os recursos serão destinados ao refinanciamento de compromissos financeiros a vencer em 2019 e à recomposição de caixa da companhia.

Copel
Também deve repercutir a decisão do Conselho de Administração da Copel de aprovar a abertura do capital social da Copel Geração e Transmissão (Copel GeT), na categoria “B”, que permite a emissão de quaisquer valores mobiliários, exceto ações.

Foi aprovada ainda a proposta para transformação da Diretoria de Finanças dessa subsidiária em Diretoria de Finanças e de Relações com Investidores, nos mesmos moldes da Diretoria de Finanças e de Relações com Investidores da Copel (Holding). Adriano Rudek de Moura se mantém como diretor de Finanças e de RI, passando a responder pelas novas atribuições da diretoria da GeT, após aprovados os devidos ajustes em seu Estatuto Social e atendidos os requisitos regulamentares.

Ecorodovias
Na EcoRodovias, o conselho de administração aprovou a 8ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, em até três séries, no valor de até R$ 900 milhões. As debêntures, da espécie quirografária, terão três séries e esforços restritos de distribuição.

A emissão será composta por 900 mil debêntures com valor nominal unitário de R$ 1 mil, sendo 400 mil debêntures a serem alocadas na primeira série, com prazo de cinco anos e 500 mil debêntures a serem alocadas na segunda série, com prazo de sete anos. Será adotado o procedimento de coleta de intenções de investimento dos potenciais investidores para definição da quantidade de debêntures da Terceira Série, que também terá prazo de sete anos. Os recursos líquidos obtidos por meio da emissão serão destinados para o pagamento de dívidas, investimentos e reforço de caixa da companhia.

Multiplan
O conselho de administração da Multiplan também aprovou uma emissão de debêntures, a 7ª, no valor total de R$ 350 milhões. As debêntures, da espécie quirografária, serão objeto de oferta pública de distribuição com esforços restritos de colocação. Os recursos obtidos com a emissão serão utilizados para investimento em novos empreendimentos e na expansão dos empreendimentos existentes, na aquisição de participações minoritárias, e no pagamento de despesas gerais e dívidas de curto e longo prazo e/ou reforço no capital de giro da companhia e/ou de suas controladas.

Conteúdo Relacionado

Pronto para começar?

Abra sua conta

Ou deixe seus dados e entraremos em contato