Nova Futura Investimentos 26 de setembro de 2019 10 minutos lendo
Voltar para o blog

Vale, Petrobrás, Embraer e outras

26 de setembro de 2019   -   10 minutos lendo

O noticiário corporativo está recheado de notícias relevantes nesta quinta-feira em meio ao bom humor nas bolsas internacionais. A China afirmou há pouco que vem mantendo contato próximo com os Estados Unidos para discutir sobre a reunião de autoridades dos dois países prevista para outubro em Washington, além de confirmar compras de soja e de carne de porco dos EUA. Entre as empresas em destaque estão Vale, Petrobras, Azul, BR Distribuidora e Embraer.

Oito meses após o rompimento da Barragem I da mina Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho (MG), a Superintendência Regional do Trabalho de Minas Gerais divulgou seu relatório sobre as causas da tragédia que matou 249 pessoas e deixou 21 desaparecidas. Os fiscais apontam que havia um excesso de água na estrutura e afirmam que a mina deveria ter tido suas operações interrompidas em 2016 para obras de reforço da barragem.

Segundo Marcos Ribeiro Botelho, membro da equipe de fiscais responsáveis pela investigação, 98 metros cúbicos de água por hora deveriam ter sido esvaziados para que a barragem chegasse a um nível de segurança, apontavam relatórios de 2017. No entanto, não foram adotadas medidas efetivas para rebaixar o volume de água na barragem.

Entre outras notícias relacionadas à empresa, o conselho de administração da mineradora aprovou a proposta de encerramento do programa de listagem dos ADSs na Euronext Paris. A companhia submeterá o pedido de deslistagem na Euronext Paris nas próximas semanas e o efetivo encerramento do programa estará sujeito à aprovação da Euronext Paris. Segundo a empresa, a decisão está em linha com a estratégia de simplificação de processos na Vale.

No exterior, a demonstração de reaproximação entre Pequim e Washington na aérea comercial animam as bolsas europeias e os futuros de Nova York. O tom otimista, porém, é limitado em meio a situação delicada que o presidente dos EUA, Donald Trump, passar com o processo de impeachment, e do primeiro-ministro britânico, em função de sua luta para entregar o Brexit – como é chamada a saída do país da União Europeia (UE) – a qualquer custo em 31 de outubro.

Vale destacar ainda que o índice de confiança do consumidor na Alemanha calculado pela GfK subiu para 9,9 na projeção para outubro, ante 9,7 na projeção anterior, para setembro. Analistas consultados pelo Wall Street Journal previam que o resultado ficaria estável em 9,7, pior leitura em mais de seis anos.

Petrobras

Um acordo entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e a cúpula do Congresso fechado ontem à noite vai permitir ao governo realizar o megaleilão do pré-sal marcado para novembro, mesmo que deputados voltem a mudar a partilha entre Estados e municípios dos recursos previstos, segundo fontes ouvidas pelo Broadcast.

Pelo que foi combinado, será promulgada a parte que não foi alterada pelos senadores quando analisaram o que a Câmara havia decidido, incluindo a autorização para o leilão e para o pagamento de R$ 33 bilhões da dívida da União com a Petrobras.

Para o analista da Guide Investimentos Rafael Passos, tanto o megaleilão quando o pagamento da dívida da União já eram esperados “e o que deve impactar positivamente o mercado como um todo e os papéis da petrolífera é o alinhamento do governo com o Congresso para destravar a pauta econômica. O mercado andava de lado em meio ao estresse no exterior e sem nenhum desdobramento político no Brasil e agora a tendência é de melhora”, apontou.

Também ontem à noite, a Petrobras informou que finalizou o procedimento de bookbuilding da 7ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, sem garantia, em até 3 séries, para colocação sob regime de melhores esforços. O valor total de duas séries chegou a R$ 3,008 bilhões. Após o procedimento de bookbuilding, não foram alocadas debêntures na 3ª série, cujo vencimento seria em 15 de setembro de 2026.

Em relação ao petróleo, que tem pesado nos papéis da petrolífera nos últimos dias, os preços da commodity voltaram a registrar queda na sessão de hoje em meio a sinais de oferta em alta e demanda mais fraca. A petrolífera saudita Saudi Aramco está restaurando sua produção em ritmo mais rápido do que se previa, segundo a Reuters, após instalações suas terem sofrido ataques no último dia 14. Já a última pesquisa do Departamento de Energia (DoE) americano mostrou ontem que o volume de petróleo bruto estocado nos EUA teve aumento de cerca de 2,4 milhões de barris na semana passada, contrariando expectativas de uma queda nos estoques.

Embraer

A Embraer divulgou comunicado se posicionando sobre as notícias de que a Comissão Europeia pode estender a investigação da fusão com a Boeing. Segundo a companhia, caso seja confirmada a Fase II da investigação por parte da autoridade regulatória, que é mais criteriosa, haverá uma avaliação dos eventuais impactos no cronograma para o fechamento da operação, que tinha estimativa inicial de ocorrer neste ano.

Azul

A Avianca Holdings anunciou um acordo de codeshare com a companhia aérea brasileira Azul. Com o acordo, as empresas poderão comercializar seus voos em conjunto, com a emissão de um único bilhete e o envio de bagagem para o destino final.

A venda de passagens e início de operações, no entanto, estão sujeitas à aprovação do governo da Colômbia e do Peru. Os clientes da Azul poderão comprar passagens aéreas para 76 destinos em 27 países da rede de rotas da Avianca nas Américas do Norte, Central, do Sul e Europa. Da mesma forma, os clientes da Avianca poderão fazer viagens de qualquer origem da rede de rotas da Avianca para São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre para conectar-se com rotas internas para 27 destinos operados pela Azul no Brasil.

BB Seguridade

O conselho de administração da BB Seguridade aprovou a submissão à assembleia geral de acionistas de aumento de capital social de R$ 450 milhões, sem emissão de novas ações, por meio da capitalização da reserva legal e posterior redução do capital social no valor de R$ 2,7 bilhões, sem cancelamento de ações, por considerá-lo excessivo. Caso aprovada a redução, os acionistas da BB Seguridade receberão, a título de restituição de parte do valor de suas ações, R$ 1,35 por ação.

O Banco do Brasil estima que receberá a título de restituição de parte do valor de suas ações, aproximadamente R$ 1,8 bilhão. O banco informou que o montante não impactará o seu resultado. Entretanto, elevará em aproximadamente 26 pontos base o índice de capital principal.

“A notícia é bem positiva tanto para o BB quanto para os acionistas em geral. O movimento é reflexo da venda do IRB Brasil Re e o valor é bem alto. Então o reflexo será positivo nas ações”. Como ainda o processo deverá ser aprovado pela assembleia de acionistas, a tendência é uma busca maior pelo papel.

Banco do Brasil

A administração do Banco do Brasil autorizou, em Assembleia Geral Extraordinária, a negociação das ações mantidas em tesouraria, até o limite de 64 milhões de ações. O conselho de administração irá definir e implementar a melhor estrutura transacional para a operação.

O BB informou ainda que foi decidida na reunião a adesão em eventual oferta pública secundária de ações resultante da avaliação da alienação das ações de emissão do BB de titularidade do FI-FGTS, caso esta seja a alternativa escolhida pelo fundo, para alienação das 64 milhões de ações mantidas em tesouraria.

Oi

A Oi afirma, em resposta à questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) sobre notícia de que a empresa poderá ser fatiada, que não tem conhecimento dos fatos citados e que continua focada, neste momento, na execução dos esforços de controle de custos e demais iniciativas necessárias para a execução dos planos de investimentos e estratégico, bem como para a maximização do valor da companhia. “A Oi não pode se manifestar sobre supostas intenções ou opiniões de terceiros”, diz a empresa.

Conforme a Coluna do Broadcast, a operadora Oi, em recuperação judicial desde 2016, pode ser fatiada e ter, ao final, suas operações de telefonia fixa, móvel e de infraestrutura nas mãos das três teles que já atuam no mercado brasileiro.

Além disso, o Valor Econômico publicou hoje que a aceleração nos investimentos fez o volume de recursos que a Oi tem em caixa atingir R$ 3,2 bilhões este mês. O montante representa recuo de mais de R$ 400 milhões em relação ao patamar de caixa registrado em julho (R$ 3,62 bilhões).

B3

A varejista C&A, depois das conversas preliminares com investidores, seguirá com os planos de sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) e deverá precificar a ação para seu lançamento na B3 no fim de outubro, segundo informou a Coluna do Broadcast. Para isso, a companhia holandesa deverá atualizar o prospecto de sua oferta junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no dia 04 de outubro, sexta-feira da próxima semana.

A empresa, que busca ser avaliada em aproximadamente R$ 5 bilhões no IPO, não impressionou os investidores, ao menos nas primeiras reuniões. Isso porque a empresa, na visão desse público, não cresce há sete anos. Enquanto isso, a Renner, concorrente já listada, tem números muito mais promissores. Procurada, a C&A não comentou.

BR Distribuidora

A BR Distribuidora informou que a Amazonas Energia assinou ontem a quitação antecipada de sua dívida com a BR, mediante o pagamento de parcela única no montante de R$ 1,446 bilhão.

O Instrumento de Confissão de Dívida (ICD) previa ainda 20 parcelas mensais e possuía garantia fidejussória da Eletrobras até o prazo máximo de 07 de outubro de 2019, quando os novos sócios da Amazonas Energia deveriam substituí-la por outras garantias, aceitas pela BR.

“A dívida remanescente da Amazonas Energia encontra-se atualmente integralmente provisionada e, portanto, o presente acordo deverá impactar positivamente o resultado do 3° trimestre de 2019, se efetivado o prazo previsto para a operação. Vale lembrar que o impacto no resultado será ainda deduzido dos tributos incidentes”, destaca o diretor executivo financeiro e de relações com investidores, André Corrêa Natal.

Natura

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) concedeu ontem o registro de companhia aberta para a Natura &Co Holding, empresa criada a partir da combinação entre a Natura e a americana Avon. A aquisição da Avon foi anunciada em maio deste ano.

O registro foi concedido para a categoria A. O segmento permite a emissão de quaisquer valores mobiliários, inclusive de ações, mas sem pedido de oferta pública de distribuição concomitante.

Segundo a empresa, o início da negociação das ações da Natura &Co no Novo Mercado da B3 ocorrerá apenas após a consumação da incorporação das ações de emissão da Natura Cosméticos pela Natura &Co.

Energisa

A Energisa divulgou sua prévia operacional com dados do mês de agosto. No total, a venda de energia caiu 0,9% na comparação com o mesmo mês do ano passado, para 2.875,6 GWh. No acumulado do ano, as vendas cresceram 3,9%, para 23.557,5 GWh.

Quando se leva em conta somente o mercado cativo mais os consumidores livres, houve aumento de 1,7% no volume de energia vendida em agosto, e de 3,6% no acumulado do ano. A queda no mês se justifica pelo fornecimento não faturado.

Anima

O conselho de administração da Anima aprovou a captação de recursos, no mercado financeiro, da ordem de R$ 350 milhões, com prazo de pagamento em até 5 anos, taxa de CDI + 1% ao ano, com amortização do principal a partir do 24º mês, inclusive, e pagamento semestral de juros, sem carência.

Proventos

O conselho de administração da TIM Participações aprovou o pagamento de Juros sobre Capital Próprio (JCP) no valor bruto de R$ 0,1564 por ação ON, equivalente a R$ 378,75 milhões. O montante será pago com base na posição acionária do dia 07 de outubro, e a partir do dia 08, as ações passam a ser negociadas ex-juros. O crédito será feito aos acionistas no dia 31 de março de 2020.

O conselho de administração da Multiplan aprovou a distribuição de juros sobre o capital próprio no valor bruto de R$ 80 milhões, correspondente a R$ 0,13417101396 por ação. O pagamento será realizado aos acionistas até 29 de maio de 2020. Farão jus ao recebimento os acionistas inscritos nos registros da companhia em 30 de setembro de 2019. As ações serão negociadas “ex juros” a partir de 1º de outubro de 2019.

Banco Inter aprovou o pagamento de juros sobre o capital próprio no valor bruto de R$ 12.812.915,30, equivalentes a R$ 0,018231110 por ação (R$ 0,054693330 por Unit). O pagamento será feito em 8 de outubro com base na posição acionária de 30 de setembro, com as ações sendo negociadas “ex” juros a partir de 1 de outubro.

O conselho de administração da Guararapes aprovou o pagamento de Juros sobre Capital Próprio (JCP) no valor bruto de R$ 0,03 por ação ON, equivalente a R$ 14,975 milhões. O montante será pago de acordo com a posição acionária da próxima segunda-feira (30), e a partir do dia seguinte (1º de outubro), as ações passam a ser negociadas ex-juros. A data do crédito aos acionistas será definida na Assembleia Geral Ordinária de 2020.

FONTE: AE BROADCAST

Conteúdo Relacionado

Pronto para começar?

Abra sua conta

Ou deixe seus dados e entraremos em contato