Nova Futura Investimentos 02 de outubro de 2019 7 minutos lendo
Voltar para o blog

Eztec, MRV, Minerva e outras

02 de outubro de 2019   -   7 minutos lendo

 A palavra cautela deverá guiar os movimentos acionários nesta quarta-feira. O temor de desaceleração global, que começou ontem após um dado fraco da indústria americana, voltou a pressionar as bolsas europeias e os futuros de Nova York, enquanto os mercados aguardam a proposta final do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Jonhson, sobre a saída de seu país da União Europeia (Brexit). Internamente, uma derrota do governo no texto da reforma da Previdência no Senado, após os senadores manterem o abono salarial para quem ganha até dois salários mínimos, deverá impor ainda mais prudência nos negócios de hoje, com os investidores de olho nas notícias corporativas. Entre elas, a possibilidade de greve dos trabalhadores da Petrobras, após a estatal afirmar que o acordo coletivo de trabalho não está mais valendo. Fique de olho também em Carrefour, MRV, Minerva, Notre Dame Intermédica e PetroRio.

A companhia informou ontem o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2017-2019 não está mais valendo para as relações da empresa com seus empregados, e que está iniciando “uma transição para a legislação trabalhista vigente”. A estatal alega que vem negociando com os empregados desde maio deste ano e nesse período foram realizadas 20 reuniões e apresentadas três propostas, sendo que nenhuma delas foi acolhida, o que levou a Petrobras a levar a discussão para o Tribunal Superior do Trabalho (TST).

“O TST, após realizar diversas reuniões com as partes, apresentou uma proposta em 19/09/2019 para ser submetida à categoria pelos sindicatos. Até o momento as entidades sindicais não submeteram a proposta do tribunal aos empregados e, portanto, não houve acordo entre as partes”, disse a Petrobras em nota enviada à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), sem informar qual a proposta apresentada.

De acordo com a Federação Única dos Petroleiros (FUP), uma greve poderá ser convocada para fazer frente à decisão da Petrobras. Ao longo dos últimos anos, os empregados da estatal conquistaram uma série de benefícios, que perdem a validade com a decisão da companhia de suspender a validade do ACT. A companhia disse ainda que continua aberta ao diálogo e que a proposta da empresa tem como fundamento preservar a saúde financeira, que tenta reduzir seu endividamento também com um amplo programa de desinvestimentos.

“Embora exista essa ameaça de greve, não vejo como algo concreto porque a Petrobras já afirmou que pretende fazer acordos individuais, o que deve amenizar a situação. A ação deverá reagir mais ao mau humor do mercado internacional”, apontou o gestor da Criteria Investimentos, Vitor Miziara.

Voltando ao exterior, em discurso nesta manhã, o premiê britânico reiterou que o Reino Unido deixará a União Europeia no dia 31 de outubro “venha o que vier”, afirmando que levará hoje propostas razoáveis do Brexit a Bruxelas. O temor de um Brexit sem acordo, porém, é o que tem estado no radar dos investidores. Somado a isto, preocupação de desaceleração global também contribui para as bolsas ao redor do mundo no negativo. Enquanto isso, feriado Nacional na China manteve os mercados fechados. Vale destacar que hoje também, às 9h15, saem os dados de emprego do setor privado nos EUA, considerado uma prévia do relatório de emprego (payroll), que será conchecido na sexta-feira.

MRV

A MRV Engenharia informou que continua avaliando os comentários dos acionistas sobre os investimentos na AHS Residencial e que deverá convocar uma nova Assembleia Geral Extraordinária para discutir o assunto em até 21 dias. A AGE estava inicialmente marcada para 4 de outubro e foi cancelada em meados de setembro quando a companhia abriu prazo para os acionistas enviarem comentários sobre a proposta de compra de participação na AHS. Na ocasião, a empresa informou que uma nova convocação seria feita ontem.

A proposta de investimento na AHS é de, no mínimo, US$ 220 milhões e máximo de US$ 255 milhões, pela subscrição de 20% do capital social total da AHS Residential, representativo de 50,01%, e que pode ser elevada a até 51%. A intenção é expansão no mercado norte-americano, de maneira complementar à atuação no Brasil.

“É a segunda vez que essa assembleia é adiada, o que mostra que existe certa resistência de se chegar a um consenso. Ainda existem dúvidas como será de fato essa compra. Como as ações já subiram muito nos últimos dias, este revés abre espaço para uma realização de lucros mais acentuada no pregão de hoje”, afirmou Miziara.

Minerva

A Minerva fechou um memorando de entendimentos com dois representantes chineses para explorar oportunidades comerciais no mercado de carne bovina naquele país. O objetivo é constituir uma joint venture com os representantes Xuefang Chen e Wenbo Ge, na qual a Minerva, a Athena Foods ou qualquer outra subsidiária terá que constar como sócia.

A Minerva afirma que o movimento busca elevar seus canais de distribuição na China, atendendo a crescente demanda por proteína bovina naquele país. Hoje, a China responde por 15% do consumo global de carne bovina.

“Notícia muito positiva para a empresa. Embora ainda não tenhamos detalhes, a informação é benéfica porque a China representa 15% do mercado mundial e ainda o país está com problema da peste suína. Com isso, a Minerva obtém um canal de distribuição dentro do país muito bom”, explicou o gestor da Criteria Investimentos.

Carrefour

O Carrefour Brasil anunciou ontem a compra de 49% da fintech Ewally, com o objetivo de oferecer aos clientes uma conta digital administrada por meio de aplicativo. O valor da transação não foi revelado e está acordada uma opção de compra do controle pelo Carrefour após três anos.

Segundo o CEO do Banco Carrefour, Carlos Mauad, a Ewally possui uma arquitetura que permite customizar as contas digitais, de modo que elas cheguem aos clientes com a cara do Carrefour. “A previsão é que até o final do ano já estejamos rodando um piloto nos nossos pontos de venda”, afirmou Mauad ao Broadcast.

Vitor Miziara ressalta que o Carrefour está “fazendo o que outras varejistas já estão fazendo, ou seja, aproveitando a base de clientes para distribuir produtos de forma bancária. Isso é muito bom para a empresa, pois já cria um banco digital com uma base muito grande de clientes”.

Notre Dame Intermédica

A Notre Dame Intermédica fechou acordo para comprar 100% do capital da São Lucas Saúde, pelo valor de R$ 312 milhões. O valor será pago à vista na data do fechamento da operação.

Em fato relevante, a Notre Dame informa que a São Lucas tem uma carteira de aproximadamente 87 mil beneficiários de planos de saúde na região de Americana (SP), além de controlar a São Lucas Serviços Médicos, com três centros clínicos, e a Associação Clínica São Lucas, que controla um hospital com 80 leitos, dos quais 14 de UTI.

No ano passado, o Grupo São Lucas apresentou faturamento líquido de R$ 229 milhões, com sinistralidade caixa de 80%. A transação será submetida à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

“A ação deverá subir com esta notícia, uma vez que a NotreDame, que atualmente é focada na grande São Paulo, está com estratégia de aumentar o share em outras regiões, diversificando sua atuação. Além disso, esta aquisição vem com um número de clientes robusto”, apontou Miziara, da Criteria.

Eztec

A Eztec divulgou sua projeção para os lançamentos no ano de 2019. A companhia espera um Valor Geral de Vendas (VGV) entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões para este ano.

Hermes Pardini

O Instituto Hermes Pardini fechou a compra de 49% da Labfar Pesquisa e Serviços, que estavam nas mãos de acionistas minoritários. Agora, a companhia passa a deter 100% do capital da Labfar, que tem sede em Belo Horizonte.

Em comunicado, o Hermes Pardini informa que a Labfar atua com realização de exames toxicológicos com alto grau de especialização, como detecção de drogas de abuso por um período maior de tempo.

PetroRio

A PetroRio concluiu a aquisição da Frade Japão Petróleo Limitada (FJPL), que detinha 18,26% da concessão e dos ativos operacionais do Campo de Frade. Assim, a companhia passa a deter 70% do campo, sendo os demais 30% da Petrobras.

A conclusão se deu após cumpridas as condições precedentes e aprovações necessárias, ontem. “A aquisição representa mais uma etapa de sucesso na execução da estratégia de crescimento da PetroRio, através da aquisição e desenvolvimento de campos produtores”, afirma em comunicado.

Com a aquisição, as reservas da PetroRio crescem em 16 milhões de barris 2P e a produção terá um aumento de 3,5 mil barris por dia, considerados os resultados dos últimos três meses no Campo do Frade.

GPA

O conselho de administração do GPA elegeu Isabela Maria Cadenassi Batista para o cargo de diretora de Relações com Investidores. Ela substitui Daniela Sabbag papa, que vai assumir o cargo de diretora Financeira da Sendas Distribuidora.

FONTE: AE BROADCAST

Conteúdo Relacionado

Pronto para começar?

Abra sua conta

Ou deixe seus dados e entraremos em contato