Nova Futura Investimentos 15 de julho de 2021 3 minutos lendo
Voltar para o blog

Mercados caem globalmente, com receios em torno do da demanda de petróleo e dia de dados importantes no EUA.

15 de julho de 2021   -   3 minutos lendo

Os mercados europeus fecharam a quarta-feira (04) mistos. Os investidores continuaram a digerir os números de inflação divulgados nos Estados Unidos. No continente, a inflação do Reino Unido chegou a 2,5%, maior alta desde fevereiro de 2018, colocando pressão nas expectativas dos agentes em relação a mudanças na política monetária do país insular, ao passo que a economia reabre e os gargalos nas cadeias de suprimentos se intensificam. Na Zona do Euro, a produção industrial decepcionou as expectativas, caindo 1,0% em maio. Mesmo com o dado negativo, o BCE (Banco Central Europeu) considera que a economia do continente está em retomada, embora a variável delta continue sendo um fator de risco.

Após a volatilidade em Wall Street com os investidores aguardando a fala de Powell e digerindo os números de inflação, a fala do presidente do FED contribui para acalmar os ânimos. O representante da autoridade monetária do país, em seu discurso, disse que o Banco Central continuará a estimular a economia do país até que ela se recupere completamente, mantendo a perspectiva de que o a inflação é transitória. Tal posicionamento, fez com que os rendimentos dos títulos de dez anos caíssem e os mercados voltassem a operar em alta.

A bolsa brasileira fechou em alta de olho no resultado no bom-humor de Nova York. No Brasil, fatores limitadores como os ruídos políticos em torno da CPI da COVID-19 continuaram no radar dos investidores. A fala de Paulo Guedes referente à intervenção nos preços no mercado de aço fez com que o setor de mineração, siderurgia e metalurgia fechassem em queda. Quanto à conjuntura econômica, o IBC-Br registrou queda de 0,43% abaixo da expectativa de alta de 1,00%.

Para hoje (15/07)

Na Ásia e Oceania os principais índices fecharam em alta com os investidores de olho nos dados acima do esperado para a indústria e varejo China e repercutindo o discurso dovish de Powell, embora o PIB do segundo trimestre indique menor avanço da economia do país.

Na Europa, os mercados operam em queda generalizada, com a queda no petróleo em meio a receios à demanda por parte da OPEP+, enquanto os agentes esperam nova fala de Powell. Quanto aos dados de conjuntura do dia, se destacam os dados do mercado de trabalho do Reino Unido, com a taxa de desemprego saindo de 4,70% para 4,80%.

Nos Estados Unidos, os futuros também operam em queda, seguindo os temores em torno da OPEP+ e aguardando novo discurso de Powell. Ao longo do dia também serão divulgados os pedidos semanais por seguro-desemprego e dados da produção industrial.

No Brasil, os futuros abrem em queda seguindo os pares globais. Os investidores também estarão atentos aos desdobramentos políticos em torno da CPI da covid-19 e ao processo de vacinação. Ainda de olho em Brasília, o Congresso avaliará o projeto para viabilizar o programa que tem o objetivo de substituir o Bolsa Família.

O Bacen fará leilões de swap cambial a partir 11:30 e o Tesouro, ofertas de LTNs para os vencimentos 2022, 2023 e 2025 e NTN-Fs para 2027 e 2031; LFT para 2023 e 2027.

Autor: Matheus Jaconeli

Conteúdo Relacionado

Pronto para começar?

Abra sua conta