Os investidores devem ficar atentos ao Vale Day, realizado em Nova York na tarde desta terça-feira, e ao retorno à pauta do Senado para votação em regime de urgência o projeto de revisão do acordo de cessão onerosa da Petrobras. No evento de hoje, os executivos da mineradora vão apresentar as prioridades para 2019, além de projeções para a indústria.

Sem chegar a um consenso sobre as regras para partilha da cessão onerosa, o ministro extraordinário de transição, Onyx Lorenzoni, afirmou ontem que a equipe do futuro governo está dialogando com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) e com o atual ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, mas que se não for possível solução até a próxima semana, a pauta ficará para o ano que vem.

Atenção também para as estatais Eletrobras e Petrobras, além de BR Distribuidora, que ontem fecharam acordos envolvendo as dívidas da Amazonas Energia que visam facilitar a privatização da distribuidora.

A Eletrobras listou os itens principais dos acordos fechados ontem. O primeiro deles é a extinção de uma ação judicial que tramita na 2ª Vara Cível da Circunscrição Especial Judiciária de Brasília, movida pela Petrobras contra a Amazonas GT, no valor total de R$ 3,708 bilhões. O acordo prevê que a Amazonas Energia reconheça dívida de R$ 578,1 milhões, ou seja, uma redução de R$ 3,069 bilhões no valor pedido pela petroleira.

Foi celebrado um aditivo que prorroga o penhor de créditos por 60 dias, contados a partir de 31 de dezembro deste ano. Até esse penhor ser constituído, a Eletrobras dará garantia real composta por alguns recebíveis, além de garantia fidejussória.

Eletrobras e Petrobras fecharam também um novo Instrumento de Assunção de Dívida, com interveniência da Amazonas Energia, de R$ 2,758 bilhões, e outro de R$ 311 milhões com a BR Distribuidora. Esses contratos são referentes a outros fechados anteriormente pela Amazonas Energia, e terão eficácia em caso de sucesso no leilão de privatização da distribuidora. A garantia nesse caso é o penhor de recebíveis pela Eletrobras. A estatal afirma que a dívida deverá ser amortizada parcialmente com recursos próprios, originados de vendas de ativos de geração eólica e do acordo fechado com a Eletropaulo.

A BR Distribuidora informa que recebeu da Eletrobras, em 14 de novembro, o complemento da 6ª parcela relativa à dívida da Ceron, no valor de R$ 34,8 milhões. Já em 30 de novembro foram pagos mais R$ 150,7 milhões que correspondem à totalidade da 7ª parcela. Juntos os valores totalizam R$ 185,5 milhões. Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa afirma que já recebeu o montante de R$ 1,065 bilhão.

Ambev

O conselho de administração da Ambev aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio à razão de R$ 0,32 por ação. Terão direito ao pagamento acionistas na base da empresa em 18 de dezembro, com os papéis sendo negociados “ex” juros a partir do dia seguinte. O pagamento deverá ser efetuado a partir de 28 de dezembro, após serem aprovados em assembleia.

Fleury

O Grupo Fleury fechou a aquisição de 100% do capital da Newscan Serviços Médios, que tem o total das ações da Lafe Serviços Médicos. O valor total da operação, segundo o Fleury informa em Fato Relevante, é de R$ 170 milhões.

A Lafe atua em serviço de apoio diagnóstico com a oferta de análises clinicas na região metropolitana do Rio de Janeiro por meio de 32 unidades de atendimento. A aquisição ainda deverá ser aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Sabesp

Ontem, o governador eleito de São Paulo, João Doria, anunciou a indicação de Benedito Braga para ocupar o cargo de diretor presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

CTEEP

O conselho de administração da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica (Cteep) aprovou o pagamento de dividendos no valor bruto de R$ 1.225.000.121,54, correspondente a R$ 7,4368 por ação. Terão direito ao pagamento ao pagamento acionistas na base da empresa em 6 de dezembro, com as ações sendo negociadas “ex” direitos a partir do dia seguinte.

Lojas Americanas

A Lojas Americanas e a sua controlada B2W aprovaram a estruturação do Fênix Fundo de Investimento em Direitos Creditórios do Varejo II (FIDC), com prazo de duração de 20 anos. O objetivo é a aquisição de direitos de crédito de titularidade da companhia, entre outros. A decisão foi aprovada pelo conselho de administração no dia 24 de outubro, mas divulgada apenas hoje.

O FIDC, inicialmente, emitirá 1.100.000 cotas com valor nominal unitário de R$ 1 mil, sendo 1.017.500 cotas seniores com rentabilidade-alvo teto corresponde a 106,50% da variação das taxas médias dos DI (Depósitos Interfinanceiros), calculadas e divulgadas diariamente pela B3; e 82.500 cotas subordinadas a serem subscritas e integralizadas pela companhia e pela B2W (Companhia Digital, totalizando as cotas seniores e as cotas subordinadas em um patrimônio líquido do FIDC de R$ 1,1 bilhão.

Banrisul

O Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) anunciou um novo plano de desligamento por aposentadoria voluntária (PDAV) destinado a empregados aposentados pela previdência oficial e Instituto Nacional e Seguro Social (INSS). O programa será limitado a 600 funcionários, com prioridade aos que possuem mais tempo de serviço no banco. A adesão voluntária deverá ocorrer no período de 04 a 19 de dezembro e os desligamentos entre 07 de janeiro e 15 de março do ano que vem.

O Banrisul anunciou também que pagará juros sobre o capital próprio complementares referente ao 4º trimestre de 2018 no valor total de R$ 30 milhões, sendo R$ 0,0733 por ação ON, R$ 0,0806 por PNA e R$ 0,0733 por PNB. Terão direito ao benefício os acionistas que estiverem inscritos nos registros da sociedade no dia 06 de dezembro de 2018, passando as ações a serem negociadas “ex-direito” aos juros intermediários a partir de 07 de dezembro de 2018. O pagamento ocorrerá em 26 de dezembro de 2018.

(Fonte do noticiário corporativo: Agência Estado News)

(Visited 11 times, 1 visits today)